• Olá Pessoal,

    Esperamos que todos estejam bem e seguros, da melhor maneira possível.

    O Congresso Paulo Leal Ferreira de Física é uma tradição do Instituto de Física Teórica – UNESP e esse ano estamos atingindo a XLV edição. Após duas edições online devido à pandemia de COVID-19, iremos voltar ao formato presencial.

    As inscrições estão encerradas!


    Contamos com a presença de vocês para fazer deste retorno o melhor possível,
    Comissão Organizadora!

  • XLV CPLF


    O evento ocorrerá entre os dias 02 e 04 de Novembro de 2022.
    Inscrições encerradas!

  • Estamos no Youtube!

    Assista nossas palestras na playlist
    no Youtube do IFT/Unesp!

    CPLF no Youtube

O que é o congresso?

Congresso Paulo Leal de Física

O Congresso Paulo Leal Ferreira é um evento anual, organizado por alunos de pós-graduação do Instituto de Física Teórica da UNESP. O objetivo deste congresso é contribuir para a formação de futuros pesquisadores. Neste sentido, o intercâmbio de informações entre estudantes de diferentes instituições e o contato com acadêmicos, cuja expressão lhes confere autonomia para abordar temas de interesse da comunidade científica, são partes fundamentais de um evento desta natureza.
Neste ano realizaremos seminários diversificados que abrangem o desenvolvimento da ciência em áreas múltiplas. É gratificante constatar a capacidade dos estudantes de se organizar e realizar um evento de alto nível, e manter a realização desse evento por um período extenso de tempo.
Esperamos que o Congresso Paulo Leal Ferreira de Física seja um exemplo para os estudantes de pós-graduação em Física de todo o Brasil.

O CPLF 2022 ocorrerá nos dias 2, 3 e 4 de Novembro!

As inscrições estão encerradas!
Inscrições encerradas

Problemas? Entre em contato

Venha participar

O XLV CPLF ocorrerá do dia 2 ao dia 4 de Novembro e receberá inscrições para apresentações orais e pôsteres, estando todas as submissões sujeitas a um processo de seleção, devido a limitações no cronograma. Neste ano, as apresentações orais serão avaliadas e premiadas! O Congresso é visto como uma ótima oportunidade para os estudantes se ambientarem ao meio acadêmico de apresentações e palestras (perder o "medo" da oratória).
Note que submeter um resumo de trabalho não é obrigatório para participar do evento, mas extremamente encorajado para promover interação entre os participantes de diferentes áreas.
Auxílios de transporte e acomodação poderão ser oferecidos a alunos que forem apresentar trabalhos (mais informações no formulário de inscrição) .
Prazos de inscrição
- Para quem pretende apresentar: Até 21/08
- Para quem vai só assistir: Até 30/08
ATENÇÃO! Mesmo como ouvinte, é necessário fazer a inscrição para participar do evento.

Regras para submissão de resumos:
- Todas as apresentações orais, com seus respectivos títulos e resumos, podem ser submetidas em português ou inglês.
- Pode-se utilizar código LaTeX na submissão dos resumos, no caso destes apresentarem símbolos matemáticos.
- Os resumos submetidos devem conter no máximo 1000 caracteres.

Sobre os seminários selecionados:
- Os trabalhos poderão se apresentados em português ou inglês.
- Serão selecionados estudantes de cada uma das categorias (graduação, mestrado e doutorado) para apresentarem seus trabalhos oralmente, concorrendo ao prêmio de melhor trabalho por categoria. Não há divisões por tópicos/sub-áreas da Física.
- As apresentações devem durar até 15 minutos, sem atrasos.
- Haverá um período de até 5 minutos para arguição de cada trabalho, por uma banca composta de pós-doutores do IFT-UNESP.
- As apresentações devem durar até 15 minutos, sem atrasos.
- Para a seleção dos trabalhos, tanto dos que serão apresentados e quanto dos que serão premiados no evento, será feita uma arguição por uma comissão acadêmica formada por pós-doutores do IFT-UNESP.
- Slides que acompanharem as apresentações orais devem ser enviados para o e-mail da organização (cplf.ift@gmail.com), em formato pdf, até às 23h59 do dia anterior ao primeiro dia do evento.


anos de tradição

dias

seminários

mini-cursos
e inscrições no CPLF 2022!
-->
Confira o que acontece no CPLF!

Já confirmados para o CPLF 2022:

Mecanismos de transporte anômalo: criando pontes entre física de partículas e matéria condensada

Possui graduação em Física pela Universidade Federal de Minas Gerais (2003) e mestrado (2006) e doutorado (2010) em Física pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Atuou como pesquisadora pós-doutoral no Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, na Universidad Nacional Autónoma de México, na Katholieke Universiteit Leuven na Bélgica e atualmente é bolsista de pós-doutorado no Instituto de Física Teórica da UNESP. Tem experiência em Teoria Geral de Partículas e Campos, atuando principalmente nos seguintes temas: fenomenologia do plasma de quarks e glúons, diagrama de fases da cromodinâmica quântica, efeitos eletromagnéticos em física de partículas, teoria de campos a temperatura e densidade finitas, sistemas de matéria condensada de baixa dimensionalidade.

Flutuações da condutância em sistemas mesoscópicos

Anderson Luiz Barbosa possui graduação em Física na Universidade Federal de Ouro Preto, mestrado e doutorado pela Universidade Federal De Pernambuco e atualmente é Professor Adjunto do Departamento de Física da Universidade Federal Rural de Pernambuco. Sua pesquisa é focada no estudo do transporte eletrônico em nanoestruturas.

Qual a relação entre ondas gravitacionais, transição de fases na QCD e estrelas de nêutrons híbridas ?

Apesar da classe de remanescentes estelares que não são anãs brancas nem buracos negros ser comumente chamada de estrela de nêutrons, nem na descrição mais ingênua desses objetos compactos, as equações de estado (EOS) levam em conta apenas nêutrons. Ao menos prótons e elétrons são sempre incluídos para dar conta da neutralidade de carga e do equilíbrio químico. Na verdade, a possibilidade de que as estrelas de nêutrons são objetos híbridos, com um caroço externo hadrônico e uma parte interna composta de quarks desconfiados foi proposta nos anos 1960 por Ivanenko and Kurdgelaidze. Diferentes receitas para se construir uma EOS que descreva uma estrela híbrida existe, todas baseadas na ideia de que uma transição de fases de matéria hadrônica para matéria de quarks seja possível a altas densidades. No entanto, obter uma EOS que satisfaça, ao mesmo tempo, observações astrofísicas e propriedades nucleares não é uma tarefa simples. Desde 2017, quando a primeira onda gravitacional, resultante da fusão de 2 estrelas de nêutrons foi detectada, novos vínculos para as EOS surgiram e, em 2021, os primeiros dados do telescópio NICER também contribuíram para definir melhor o cenário. Nesta palestra, vou descrever como o diagrama de fases da QCD pode ser construído a partir de modelos hadrônicos relativísticos e modelos de quarks e, com base nessa hipótese, obter EOS que descrevam estrelas híbridas. Dependendo dos modelo usados, é possível descrever uma estrela com 2.15 massas solares e mesmo uma estrela muito massiva que contenha um caroço de quarks que corresponde a até 80% da sua massa e de seu raio, como sugerido numa recente análise da velocidade do som em diferentes meios estelares. Com escolhas apropriadas de parâmetros, também é possível descrever o objeto que fica no intervalo de massa (estrela de nêutrons - buraco negro) e que foi um dos geradores do GW190814 como uma estrela híbrida.

Possui graduação em Fisica/bacharelado (1983) e em Fisica/licenciatura (1984) pela Universidade de São Paulo, mestrado em Física pela Universidade de São Paulo (1986), doutorado pela University of Oxford, Inglaterra (1989), pós-doutorado pela Universidade de Coimbra, Portugal (1998), estágio sênior pela Sydney University, Austrália (2005) e pela Universidade de Alicante , Espanha (2014). Trabalha, com regularidade, como pesquisadora visitante na Universidade de Coimbra (Portugal) e no Laboratoire de Physique Corpusculaire - EnsiCaen (França). É professora titular da Universidade Federal de Santa Catarina, atual Presidente da Sociedade Brasileira de Física (SBF) e integra o Comitê Gestor do INCT-Física Nuclear e Aplicações. Foi nomeada membra da Comissão de Física Nuclear (C12) da International Union of Pure and Applied Physics (IUPAP) de 2018 a 2021, integrou o Comitê Assessor de Física e Astronomia do CNPq de setembro de 2013 a agosto de 2016, foi Pró-Reitora de Pesquisa e Extensão da UFSC de maio de 2008 a maio de 2012 e coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Física da UFSC de outubro de 2006 a maio de 2008. Tem experiência na área de Física, com ênfase em Física Nuclear e de Hádrons, atuando principalmente nos seguintes temas: equações de estado, estrelas de nêutrons, álgebras quânticas, modelos relativísticos e astrofísica nuclear. Dedica-se ativamente à divulgação científica e coordena o canal no YouTube Mulheres na Ciência e seu parceiro no TikTok. Foi contemplada com a Medalha e Diploma de Mérito Francisco Dias Velho pela Câmara Municipal de Florianópolis por suas contribuições nas ciências e é membra da Academia Brasileira de Ciências

Introduction to applications of the AdS/CFT correspondence.

Neste minicurso vou introduzir a correspondência AdS/CFT e suas aplicações: a aplicação inicial, para física de partículas, e física nuclear, depois a aplicação mais comum hoje em dia, para física da matéria condensada, e finalmente uma aplicação mais recente, para cosmologia. Na primeira aula vou começar descrevendo teoria de cordas e "D-branas", depois vou descrever o que é a correspondência AdS/CFT e sua generalização, gauge/gravity duality, e finalmente descrever como a temperatura finita de um toy model, "N=4 SYM", e usada para física nuclear, e como modificações desta são usadas para física de partículas. Na segunda aula vou começar descrevendo o que são cadeias de spin, e como usamos ondas gravitacionais para relacionar com eles, via "pp wave correspondence". Depois vou descrever como usamos modelos fenomenológicos de gauge/gravity duality, "AdS/CMT", para descrever sistemas não relativísticos, transporte em materiais, e supercondutores holográficos. Na terceira aula vou descrever o que se chama cosmologia holográfica. Vou usar um modelo fenomenológico de gauge/gravity duality, vou mostrar que pode fitar o CMBR (cosmic microwave background radiation) tão bem quanto a cosmologia inflacionária, e finalmente vou mostrar como se resolvem os problemas clássicos com Hot Big Bang, que foram a razão inicial para introduzir a inflação.

Horatiu Nastase fez seu doutorado em física na State University of New York (Stony Brook) e atualmente é pesquisador no IFT - UNESP. Com experiência em teorias de campos, teoria de cordas e aplicações de dualidades do tipo Gauge/Gravidade

Cosmologia com supernovas do tipo Ia

possui bacharelado (2001), mestrado (2003) e doutorado (2007) em Física pela UFRJ. Possui pós-doutorado pelo Fermi National Accelerator Laboratory, EUA (2008). Tem experiência na área de Física, com ênfase em Relatividade e Gravitação, atuando principalmente nos seguintes temas: supernovas do tipo Ia, oscilações acústicas de bárions, lentes gravitacionais, energia escura e modelos alternativos de gravitação. Atualmente é professor associado no Instituto de Física da UFRJ.

Ecofisica: a física estatística de sistemas ecológicos

A mecânica estatística é o ramo da física que descreve como as propriedades macroscópicas da matéria emergem do comportamento de seus constituintes microscópicos. A ecologia estuda, entre muitas outras coisas, como e por que as populações mudam ao longo do tempo e do espaço, principalmente devido à interação entre os indivíduos e entre os indivíduos e o meio ambiente. Embora aparentemente muito diferentes, ambas as disciplinas visam explicar fenômenos em larga escala com base em uma descrição detalhada de seus drivers subjacentes, e ferramentas da mecânica estatística têm sido amplamente usadas para formalizar a conceitos em ecologia. Neste minicurso vamos apresentar parte do formalismo matemático e as ferramentas computacionais utilizadas em física estatística de não equilíbrio e sistemas complexos e mostrar como elas podem ser usadas para resolver questões clássicas em ecologia.

Possui Licenciatura em Fisica pela Universidad de La Laguna (Espanha, 2010), mestrado em Física pela Universitat de les Illes Balears (Espanha, 2011) e doutorado em Física no Instituto de Fisica Interdisciplinar e Sistemas Complexos (Espanha, 2014). Foi pós-doutor no Departamento de Ecologia y Biologia Evolutiva da Universidade de Princeton (EUA, 2014-2019) e visitante no Instituto Max Planck de Sistemas Complexos (Alemanha, 2011) e no Instituto Smithsonian pela Biologia da Conservação (EUA, 2012). Desde 2022 é Pesquisador IV no IFT-UNESP e pesquisador associado no ICTP- South American Institute for Fundamental Research (São Paulo). É membro afiliado da Academia Brasileira de Ciências (2021), professor externo no Princeton Center for the Physics of Biological Function (Princeton, EUA) e pesquisador associado Simons no Abdus Salam ICTP (Trieste, Italia). Foi selecionado na 3 Chamada Publica de Pesquisa do Instituto Serrapilheira (2020). Tem experiência na área de Física Estatística com aplicações em Ecologia. Até o momento grande parte de sua pesquisa é dedicada ao estudo de processos ecológicos e evolutivos em comunidades microbianas e formação de estruturas auto-organizadas em ecossistemas com diferentes escalas características, de biofilmes bacterianos a ecossistemas áridos. Seu trabalho foi destaque em prestigioso jornais internacionas como Physical Review Letters (editor's suggestion) e Science (capa do jornal).

Influências da teoria de cordas na física teórica de altas energias

Possui graduação em Física (bacharelado) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) (2008), mestrado em Física pelo Instituto de Física Teórica da UNESP (2011) e doutorado em Física pelo mesmo instituto (2015). Além disso, fez dois pós-doutorados na Universidade de Uppsala. Atualmente é professor adjunto do Instituto de Física da UFRJ. Atua principalmente nos seguintes temas: supersimetria, supercordas, simetria BRST, correspondência AdS/CFT e amplitudes de espalhamento em teorias de campos e teoria de cordas.

Minicurso: Aspectos da física experimental de altas energias.

High Energy Physics (HEP) explores the elementary particles, which are the fundamental constituents of matter, and their interactions. Elementary particles are the underlying structure at the inner kernel of matter and, at the same time, plays an essential role in the evolution of the Universe. The last century has shown that collider accelerators have been among the most powerful tools used to explore the deep structure of matter that enabled the development of a universal quantum field theory – the standard model. HEP experiments led to important discoveries that go from the identification of heavy quarks, passing by the discovery of the W± and Z0 bosons, up to the breakthrough represented by the recent discovery of the Higgs boson at CERN. In this course, we will discuss some aspects of the field, with some bias with respect to the current work being done at the Large Hadron Collider.

Físico formado pelo Instituto de Física da Universidade de São Paulo (IFUSP) com Bacharelado obtido em 2006. Doutor em Física pelo Instituto de Física Teórica da UNESP (IFT-UNESP) desde 2012. Bolsista de Iniciação Científica CAPES no Laboratório de Instrumentação e Partículas do Departamento de Física Geral do IFUSP de 2004 a 2005. Bolsista de Doutorado FAPESP no São Paulo Research and Analysis Center, SPRACE e no IFT-UNESP de 2006 a 2012. Bolsista de Pós-Doutorado "Ciência sem Fronteiras" no CERN de 2012 a 2013. Bolsista de Pós-Doutorado FAPESP no SPRACE e no IFT-UNESP de 2013 a 2016. Pesquisador do Núcleo de Computação Científica da UNESP desde 2016. Bolsista de Produtividade PQ-2 desde 2017. Tem experiência na área de Física Experimental. Participante da Colaboração "Compact Muon Solenoid" do CERN. Participante do projeto SPRACE -- São Paulo Research and Analysis Center, (http://www.sprace.org.br), financiado por Projeto Temático da FAPESP. Como membro da Colaboração CMS, é co-autor de mais de 1000 artigos científicos

Se liga no que vem por aí!

Programação do evento

Mais informações

Organização & Contato

Entre em contato por e-mail
Tire todas as suas dúvidas!
cplf.ift@gmail.com

Instituto de Física Teórica - IFT, UNESP
R. Dr. Bento Teobaldo Ferraz, 271 - Bloco II
Bairro Barra-Funda - 01140-070 - São Paulo, SP
Comissão organizadora 2022
Bruno Lopes da Costa

Luísa Pires Ferreira

Matheus da Luz Cravo

Rodrigo Schmidt Pitombo

Stephanie Lins Dardengo

Washington Francisco dos Santos Junior